Gaivotas…

 

Citar

Ah!… Gaivotas…

Photobucket

Photobucket

Photobucket 
 
 
Abro a janela debruçada sobre o rio
Os gerânios que plantei, estão florindo!…
Sorriem para mim
Tal e qual imaginei que seria
As mesmas gaivotas cantadeiras!…
Revoando sobre o Tejo como D.Amália cantou.
O mesmo Tejo que Carlos do Carmo exaltou,
Até as docas e vagas contou!.
Contou e não encontrou o número certo dessa agonia,
Que é saber de Lisboa o máximo que ela tem.
É andar de dia
E à noite cantar o fado!…
O que me traz aflição?
É de fato o pequeno almoço brejeiro?
Ou o fado que trago na memória
Que passamos a noite a cantar?
Silêncio vai cantar o Fado!
Seguem-se as múltiplas emoções!…
Da voz, da interpretação e da figura em ação!
O xaile preto? É marca desta forte canção!
O xaile que age como um selo,
O vinho não falta sobre a mesa,
As guitarras choram a tocar,
O fado é uma vida a desfolhar-se.
O Tejo banha Lisboa
Subidas e descidas, narinas impregnadas,
Com o cheiro que tem Lisboa,
Varinas cantam para seu peixe entregar
É a emoção que nos toma o coração
Quando abro a janela
E debruçada sobre o Tejo
Vejo Lisboa acordar!
 
Denise Figueiredo
" In Cantos do Mundo"
Ed Abrali
 
 

     

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s